Isolamento x Comida = fome ou ansiedade | Por: Janine Priscila, chef de gastronomia saudável

Estamos enfrentando um momento de pandemia no mundo com o novo coronavírus. Centenas de pessoas estão em casa de quarentena por recomendação dos órgãos de saúde. Já que estamos em casa até segunda ordem, começamos a pensar em receitas para fazer na quarentena, talvez para aquele almoço, lanche da tarde ou jantar, certo?

Se você está sem ideias de receitas para fazer na quarentena, eu trago algumas soluções. Sabemos o quão importante é ficar em casa agora em um momento como esse, no qual devemos ter cautela e precaução e isso envolve também uma alimentação saudável, simples e cheias de sabores. 

O que é o comer emocional?

Antes de tudo, não é a mesma coisa que comer emocionado. Comer emocionado acontece com todos, sendo motivado por situações ou coisas que nos deixam felizes ou tristes. Uma festa, um happy hour ou uma reunião com amigos queridos, por exemplo, geralmente nos levam a comer mais, não somente porque a comida funciona quase que como uma graxa social nessas situações, mas também porque estamos felizes e relaxados de estar com pessoas com as quais gostamos e nos sentimos bem. Da mesma forma, momentos de medo ou de profunda tristeza, quando alteram nosso apetite ou vontade de comer, também se enquadram em contextos de comer emocionado.

Algo muito diferente ocorre com o comer emocional. O comer emocional é uma maneira de usarmos a comida como uma espécie de resposta a emoções, sejam sentimentos positivos (euforia, alegria), mas, principalmente, sentimentos negativos (tristeza, ansiedade, medo, decepção). Aqui, diferentemente do comer emocionado, a comida tende a ser consumida sem planejamento, de forma voraz, e normalmente associada a uma forte sensação de descontrole, o que pode desencadear ciclos de comer emocional, culpa e mais comer emocional.

A primeira coisa importante em contexto de isolamento físico, como este, é o de tentar identificar potenciais gatilhos emocionais associados a impulsos por comida. Uma vez identificado o gatilho, deve-se partir para um conjunto de estratégias capaz de impedir que esse gatilho se transforme em impulso pelo comer emocional. 

O ato de cozinhar para a família é um modo de relaxar e sair da zona de risco e podem até pensar “como assim vou fazer comida para fugir da comida?”. Sim, o ato de cuidar tira o foco do simples ato de comer.

Estratégias contra o comer emocional: 

1º: Planejar e organizar refeições ao longo do dia; 

2º: Atuar de modo consciente ao ir ao supermercado; 

3º: Construir uma rotina de trabalho e lazer em casa; 

4º: Talvez o mais importante, realizar exercícios regulares – mentais e/ou físicos – que ajudem a nos manter conectado com o nosso corpo.

Conexão com o próprio corpo é a principal maneira de nos manter atentos às nossas sensações de fome e saciedade, as quais, em última instância, constituem o antídoto mais eficaz para o perigo do comer emocional. Passar pela quarentena em paz com a comida vai te ajudar não só fisicamente, mas também mentalmente e emocionalmente. 

A comida não precisa ficar no lugar de vilã nesse período. Ela pode e deve fazer companhia se usada com toda importância e respeito que merece. Então vamos a algumas receitas rápidas e saborosas.

Alimente sua cabeça e seu corpo com o melhor que a cozinha pode te proporcionar: criatividade, afeto, carinho e sabores. Para as crianças que precisam estar em quarentena, vamos usar a criatividade e “esconder” alguns alimentos essenciais, não pensem que isso não é correto e sim uma maneira de passar por esta fase, eles sentem a falta da rotina e nem sempre é fácil. Com o retorno da rotina tudo volta ao normal também.

Sou mãe de gêmeos e estou passando exatamente por isso, e com a ajuda de uma pedagoga, Mariângela Trindade, estou retomando a rotina alimentar. 

 

BRIGADEIRÃO DE MICROONDAS

Ingredientes:

1 lata de leite condensado

1 lata de creme de leite com soro

3 ovos

1 colher de margarina

4 colheres de cacau em pó

Margarina para untar

Granulado ou lascas de chocolate para polvilhar

Modo de preparo::

Unte a forma de micro-ondas com a margarina ou utilize formas de silicone. Bata todos os ingredientes no liquidificador e coloque na forma. Em seguida, leve ao microondas por 8 minutos, não pode estar mole a massa, se tiver firme leve a geladeira e desenforme após frio. Caso seja necessário, vá levando ao microondas a cada 1 minuto até chegar ao ponto. Polvilhe granulado ou lascas de chocolate.

 

ARROZ DE FORNO

Ingredientes:

Arroz já cozido, medida a gosto

Recheio a gosto (frango desfiado, salsicha, frios, carne desfiada ou moída)

Queijo mussarela

Requeijão ou catupiri

Modo de preparo:

Refogue uma cebola, alho, a proteína escolhida e salsinha e reserve. Unte um refratário e coloque embaixo arroz, lascas de queijo, requeijão ou catupiri e a proteína, cubra com arroz e acima coloque mais lascas de queijo. Leve ao forno até gratinar. Um ótimo acompanhamento é um prato de salada verde.

 

PÃO FIT DE FARINHA DE BATATA DOCE

Ingredientes:

1 colher de sopa de farinha de batata doce

1 ovo

Modo de preparo:

Misture tudo até ficar homogêneo, coloque num refratário, de no máximo 10cm de diâmetro, e leve ao microondas por 1h30, retire do recipiente corte ao meio recheie a gosto e leve a torradeira ou frigideira até formar uma casquinha. OBS.: pode ser substituído por farinha de maracujá ambos têm baixo índice glicêmico.

 

SALADA DE LENTILHA COLORIDA

Ingredientes:

1 xícara de lentilha cozida

1 tomate picado

1 cebola roxa picada

Salsinha a gosto

Folhas de manjericão

½ xícara de cenoura cozida em cubos pequenos

½ xícara de queijo (ricota, mussarela, colonial

Azeite de oliva a gosto

Ovos cozidos

Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e tempere a gosto, mantenha na geladeira até a hora de servir.

 

Janine Priscila, chef especializada em gastronomia saudável

Mais receitas da Janine:
Receitinhas fáceis para fazer em família no Dia das Crianças
A infância em uma mordida: receitas da vovó

Danoninho fit para crianças e adultos
Receitas para quem tem alergias e intolerâncias
Imagine uma receita de bolo sem ovo? Ela existe!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *