Pandemia e a culpa materna | Por: Débora Laks, psicóloga

Muitos artigos analisam as mudanças emocionais das crianças. As mães tem se empenhado dia e noite para dar conta das repercussões do isolamento em seus filhos. No entanto, ainda há quem se culpe. Também há quem as culpe. Triste realidade da crítica ao invés do amparo.

A Revista Crescer recentemente publicou uma pesquisa evidenciando que mães de crianças pequenas são as mais afetadas por estresse no isolamento. Este dado não surpreende, pois quem está em casa, sem ajuda, se vê diariamente com uma jornada infinita. Ainda há quem trabalhe oito horas por dia, em home office, e tenha que certificar à empresa a cada quinze minutos que não saiu da frente da tela. Sem nenhuma flexibilidade, tentando render o mesmo de quando estava no escritório. A conta não fecha!

Homeschooling, tarefas da casa, atenção as crianças, trabalho e, ainda, alguma dedicação a relação a dois. “Bora” lá vestir a capa de Super Mulher? Como somos humanas e o dia tem apenas 24 horas, neste momento de pandemia, os ideais ficam meio capengas. A culpa está intimamente relacionada com a idealização. Se não pudermos rever conceitos, serão tempos ainda mais difíceis.

No universo do trabalho há uma onda de reinvenção, no âmbito materno também teremos que criar novas perspectivas. Rever redes de apoio, buscar novas combinações com as crianças, reconfigurar a divisão de tarefas com o marido, buscar novos arranjos de trabalho e assim por diante. A maternagem pré COVID-19 não existe mais! Temos agora o novo normal e teremos que resinificar para vivermos melhor!

Pais e filhos passarão melhor por este momento se adequarem suas expectativas. Escrever é fácil, difícil é conseguir! Logo, desejo boa sorte e muita força!

 

Débora Laks é psicóloga graduada pela PUCRS (CRP 07/15330) com experiência em atendimento de adultos, pais-bebês e infantil. Estuda a psicanálise e o psiquismo humano. Especializada em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica de Adultos pelo CELG/UFRGS e Psicoterapia da Infância e Adolescência pelo CEAPIA. 

Leia outras colunas da Débora no site:
#
Conexões e desconexões: os desafios da parentalidade hoje em dia
# Se uma mãe é super-heroína, não precisa de um super-pai ao lado?
Carta a uma família recém nascida
Pensando em engravidar? O que levar em conta ao tomar esta decisão
A gestação não é só física: vamos falar sobre os aspectos psicológicos da gravidez

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *