Engordei nesta quarentena, e agora? 09 dicas para viver uma quarentena mais saudável | Por: Fernanda Signor, nutricionista

 

Estamos completando SEIS MESES de isolamento social. Quanta mudança nesse período, hein? Quantas adaptações, quantos medos, quantas incertezas, quanta saudade.

Saudades da família, do trabalho presencial, da escola, dos amigos, da rotina, da atividade física na academia, dos passeios, de simplesmente sair sem máscara no rosto, sem medo de ser contaminado e/ou contaminar. Saudades inclusive da rotina alimentar.

E para ficar um pouco mais difícil, ainda não se sabe quanto tempo vamos ficar nessa situação, se a vacina vai funcionar ou não, quando ela vai chegar e assim por diante. Muitos medos, incertezas e tensão. Vontade grande de compensar esses sentimentos com comida ou bebida, não? As consequências são vistas na balança, quando todas essas mudanças resultaram em ganho de peso.

O ganho de peso ocorre devido a diversos fatores: redução da atividade física, aumento da ansiedade, da compulsão alimentar, do aumento no número de refeições durante o dia, da elaboração de alimentos mais calóricos, da quantidade de bebida alcoólica ingerida. A maneira de se vestir também pode influenciar, pois o ganho de peso passa despercebido quando trocamos nossas roupas sociais, nossa calça jeans pelo moletom ou roupas mais folgadas, leves e confortáveis.

Ganhei peso na quarentena, e agora? O que fazer?

  1. Primeiro procure não se desesperar e acabar comendo mais para se punir. Vamos com calma!
  2. Procure organizar horários para as refeições e não se permita “beliscar” fora destes horários;
  3. Quando pensar em usar a comida como compensação de prazer, procure pensar e realizar outras coisas que também possam trazer esta sensação, como por exemplo: meditar, ver um filme, escutar uma música legal, ler um livro, dançar, fazer exercício, entre outros;
  4. Evite alimentos com alto teor de gordura, como frituras ou com muita manteiga, creme de leite, cremes e molhos muito gordurosos;
  5. Sirva o prato e procure não repetir (com exceção da salada);
  6. Coma vegetais nas principais refeições. Não precisa ser salada crua, use e abuse da criatividade fazendo com que elas se tornem gostosas e atraentes;
  7. Pratique exercícios mesmo em casa. Quem tiver a oportunidade contrate um profissional, muitos estão atendendo em casa. Caso não consiga, existem aplicativos e atividades físicas no YouTube que podem ajudar.
  8. Não faça dietas muito restritivas sem acompanhamento para também não comprometer a sua imunidade;
  9. Procure sua nutricionista para que ela possa te auxiliar a chegar no resultado esperado e com saúde.

 

Fernanda Signor é nutricionista clínica, formada em 2002 em Santa Maria/RS, pela Universidade Franciscana,. Especialista em nutrição clínica e pós-graduanda em nutrição clínica funcional. Tem capacitação profissional pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre/RS em Endocrinologia e Nefrologia. Atualmente faz sua formação em Nutrição Funcional na Saúde da Mulher. Atende em consultório particular e clínica de nefrologia.

Outras colunas da Fernanda no site:}
## Como a nutrição pode amenizar o cansaço materno
## Os benefícios da nutrição adequada na gestação
## 
Perda de peso durante a amamentação: pode ou não?

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *